Nós, os tapuias

Ipiaú era uma região habitada inicialmente pelos índios tapuias. Tapuia é um termo histórico utilizado ao longo dos séculos no Brasil para designar uma classe de povos indígenas. 


Originalmente dividiam-se os índios brasileiros em dois grandes grupos, um sendo os tupi-guaranis (tupinambás e guaranis) e outro denominado como tapuias, que habitavam regiões mais interiores.

Expliquemos melhor: os gregos antigos, em função do grande avanço que sua sociedade havia conquistado, chegavam ao ufanismo de julgar inferior toda cultura que se diferenciasse. Por causa disso, todos as línguas que não fossem o grego soavam para eles como “bar-bar-bar”. Por isso os gregos lhes davam o nome de bárbaros.

Algo semelhante acontecia aqui no Brasil pré-colônia, no período em que os nativos ainda chamavam essa terra de Pindorama. Todos os que não pertenciam ao tronco linguístico Tupi-Guarani eram chamados de Tapuias.

Há diversos entendimentos das origens do termo, mas em geral observa-se que seria de procedência tupi e teria significado semelhante a "forasteiro", "bárbaro", "aquele que não fala nossa língua", "inimigo"

Tapuia significa bárbaro, inimigo. De taba – aldeia, e puir – fugir: os fugidos da aldeia” escreveu José de Alencar, no seu mais famoso livro, Iracema, de 1865. Mas existem outras versões:

O termo "tapuio" não é expressão designativa de uma etnia. É tão somente "Um vocábulo de origem tupi, corruptela de tapuy-ú – o gênio bárbaro comum, onde vive o gentio. [...] É um dos termos de significação mais vária no Brasil. No Brasil pré-cabraliano assim chamavam os tupis aos gentios inimigos, que, em geral, viviam no interior, na Tapuirama ou Tapuiretama – a região dos bárbaros ou dos tapuias" (Tomislav R. Femenick, 2007).

Mas, autores quinhentistas como Gabriel Soares de Sousa já utilizavam o termo tapuia contrastando os índios dessa estirpe com os tupi-guaranis. Escreveu sobre a origem dos Aimorés:
Descendem estes aimorés de outros gentios a que chamam tapuias, dos quais nos tempos de atrás se ausentaram certos casais, e foram-se para umas serras mui ásperas, fugindo a um desbarate, em que os puseram seus contrários, onde residiram muitos anos sem verem outra gente; e os que destes descenderam, vieram a perder a linguagem e fizeram outra nova que se não entende de nenhuma outra nação do gentio de todo este Estado do Brasil (Soares de Sousa, 1971 [1587], 78-79).
Os tupi-guaranis marcavam presença no litoral enquanto os tapuias predominavam no interior. Grupos tapuias incluem, por exemplo, os botocudos e muitos do nordeste do Brasil como os tarairus e cariris.

Hoje geralmente associa-se o termo ao tronco linguístico Macro-jê.

Somente pelos ido de 1913 surgiram os primeiros desbravadores na região que hoje é conhecida como Ipiaú.

Fagner Alves

Fontes:

CEPLAC. Cidades do cacau, Ilhéus, Bahia, 1982
OLIVEIRA, E. da S.; MORAIS, M. A de; MEDEIROS, E. D. de & MEDEIROS, M. de L. P. de. Tapuias. História do RN n@ WEB [On-line] (ufrn.br)
FEMENICK, Tomislav R.. Tapuios e Outros Índios. Gazeta do Oeste, Mossoró 28-01-2007; O Jornal de Hoje, Natal 29-01-2007
MONTEIRO, John M.. Tupis, Tapuias e Historiadores. Estudos de História Indígena e do Indigenismo. Departamento de Antropologia, IFCH-Unicamp, Campinas 2001

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seguidores

Total de visualizações